domingo, janeiro 13, 2008

NAN GOLDIN




(...)uma das fotógrafas contemporâneas mais conhecidas mundialmente.(...)

“Não escolho as pessoas propositadamente para as fotografar; tiro fotos directamente da minha própria vida. Estas fotografias aparecem como relações pessoais, não como uma observação”.

A máquina fotográfica era considerada por Nan Goldin como uma extensão do seu próprio braço, sendo igualmente a prova de que existe uma total continuidade entre o seu projecto artístico e a sua própria vida.

As suas imagens, desde os primeiros retratos a preto e branco, até às fotografias a cores tiradas na intimidade com os seus amigos, reproduzem um profundo olhar sobre a vida irregular e apaixonada de quem escolheu uma existência fora das regras.
Excessos de álcool, droga, amor e sexo, mas também imagens de uma grande intimidade doméstica, são objectos constante no imaginário de Goldin.(...)

in arquivo Fundação Serralves

1 comentário:

Anónimo disse...

Nan Goldin - este é o Adriano. Adriano - esta é Nan Goldin

Muaauaauauaaaaaaa